quinta-feira, março 31, 2005

Insulto à inteligência

Hoje atrevi-me a passar a vista, pela primeira vez, na Quinta das Celebridades. Arrependi-me de seguida quando vi a Júlia Pinheiro a falar, não com um burro, mas com um carneiro, uma ave que desconheço e...uma meia! Sim, uma meia!

Confirmou-se o que há muito suspeitava: o programa destina-se a pessoas com a idade mental de uma criança de seis anos ou aos adeptos do sadomasoquismo; só isso explica as atrocidades que se cometem em prime-time na televisão portuguesa.

Mesmo conhecendo muito boa gente que vê regularmente o programa, não retiro uma vírgula; só alguém infantil ou sadomasoquista consegue submeter-se àquela autêntica tortura que é ouvir a voz irritante da Júlia Pinheiro dirigida a uma meia! Aposto que se os EUA souberem do programa começam a emiti-lo para a prisão de Guantanamo para fazer os prisioneiros falar.

segunda-feira, março 28, 2005

Os pombos da Sobreda...

...devem andar mal dos intestinos!

Pelo menos a julgar pelo aspecto do meu carro, há dias atrás. O mais frustante é que foi o único a ser autenticamente bombardeado!

sexta-feira, março 25, 2005

Faroeste

Mais um dia, mais uma mão cheia de tiroteios! E desta vez vez foi aqui bem perto. Desta vez os 'bófias' ficaram a ganhar; no entanto, continuam a perder 3-1 para os bandidos.

Portugal torna-se, a cada dia que passa, mais parecido com um filme hollywoodesco, com tiros e mortos aos montes, e tudo porque a polícia não tem autoridade suficiente. Ninguém leva um polícia a sério, e estes são cada vez mais dominados pelos criminosos que andam por aí, que fazem trinta-por-uma-linha e que passam incólumes (isto é-me familiar!). Se os polícias são julgados quando fazem uso da força ou quando disparam a arma, mais vale não lhes dar cacetetes e pistolas; dêem-lhes daqueles balões de palhaço e bisnagas; sempre poupavam uns trocos aos contribuintes.

Vivemos todos os dias com medo de sair à rua, as crianças já não podem brincar descansadas porque os pais têm medo que apanhem alguma bala perdida, temos medo de passar por certos sítios, a certas horas porque corremos o risco de sermos assaltados ou pior, já não podemos andar com os vidros do carro para baixo porque, se temos o azar de parar num sinal, podemos ser assaltados, já não podemos andar com nada de valor com medo desses mesmos assaltos.

Claro que aparece sempre alguém a defender os criminosos: "Era tão bom rapazinho!"; "Não acredito que tenha feito isso!"; "Nunca fez mal a ninguém!". Aliás, todos eles são bons rapazinhos: o luso-brasileiro que matou dois agentes da polícia tinha um arsenal em casa suficiente para derrotar o exército português porque, com certeza, era caçador; o fugitivo que não põe os pés na prisão desde o Natal, depois de sair com uma precária, e que entretanto matou um agente da polícia, ainda não voltou à 'choldra' porque não sabe o caminho; e o que foi morto, ontem, aqui na Margem Sul, estava com certeza a dar milho aos pombos com os outros dois amigos, até que surgiram os 'mauzões' dos bófias.

Admito que não me roeu minimamente a consciência ao saber que um jovem de 17 anos tinha sido morto pela polícia. É prefeível não andarem cá só a fazer merda! Por isso fui sempre adepto da prisão perpétua. Há crimes e, sobretudo, há pessoas que não merecem uma segunda oportunidade.

Conheço relativamente bem a zona do tiroteio; não é como a Cova da Moura, mas também não interessa a ninguém. É urgente que alguém ponha mão nisto, porque se não o fizerem, eles fazem-no.

Um sorriso único

Sabia que o programa "Por outro lado" da 2: valia a pena ver por várisa razões; ontem descobri mais uma: conseguir vislumbrar o Miguel Sousa Tavares a rir!

Não é todos os dias.

Uma questão pertinente

Pergunto-me se, por acaso, trabalhasse para algum orgão de comunicação legítimo (e, sim, aqui a TVI também se aplica), o senhor La Féria me teria deixado, e a mais uns quantos, duas horas à espera para dar uma entrevista de meia hora.

Vicissitudes de estudantes. Ninguém nos leva a sério!

terça-feira, março 22, 2005

Outras conversas de ocasião...

No trabalho:

A) com os clientes:
- Bom dia.
- Bom dia.
- Posso ajudá-lo(a)?
- Estou só a ver, obrigado.
- Tudo bem, esteja à vontade. (Nunca se está totalmente à vontade).
(...)
- É para embrulhar?
- Sim, se faz favor.
- São (não sei quantos) euros. (A única variação da conversa).
- Obrigado.
- Obrigado nós.
- Bom dia. /Bom fim-de-semana. /Boas férias. (like if you care!!!).
- Obrigado, igualmente.
- Volte sempre.

B) com os colegas
No primeiro encontro:
- Olá, como está?
- Tudo bem e consigo?
- Cá estamos, outra vez...
- Vamos lá ver como corre hoje.

No segundo encontro:
- Ah, isto hoje tá muito parado!
- Nem me diga nada. Ainda só vendi (não sei quantos) euros.
- É melhor voltar p'rá loja, p'a não chatear o patrão. (Engenho para interromper conversa infrutífera).

No terceiro encontro:
- Isto está muito mal!
- Há uns anos atrás vendia-se muito mais!
- O que vale é que já só faltam (não sei quantas) horas para me ir embora.

No quarto encontro:
- Já faltou mais!
- Não vejo a hora...

No quinto encontro:
- Já se vai embora?
- Já não era sem tempo. (que raio de expressão!)
- Que sorte. 'té amanhã. / Bom fim-de-semana.
- 'té amanhã. / Bom fim-de-semana.

C) com outros funcionários (por exemplo seguranças, senhoras da limpeza,etc.)

No primeiro encontro:
- Bom dia.
- Bom dia.

No segundo encontro:
- Tudo bem.
- Tudo.

No terceiro encontro:
(sorrisos)

No quarto encontro:
- Tá quase.
- Pois...

No quinto encontro:
- 'té amanhã. / Bom fim-de-semana.
- 'té amanhã. / Bom fim-de-semana.

No elevador:
(Bom dia)
- Vai descer? Vai subir?
(Seguem-se 2/3 longos minutos de silêncio constrangedor)
- Com licença.

O Milagre da Vida II

Mais uma curiosidade:

A Amália teve um bebé. A Lontra do oceanário, entenda-se.
Ok, nasceu já vai algum tempo mas só descobri ontem. Achei interessante principalmente porque o pai é o celebérrimo Eusébio. Aqueles dois juntos, uhm...

Estas coisas do Afterlife têm muito que se lhe digam.

conversas de ocasião...

- Tudo bem?...
- Tudo... /sempre... /vai-se andando...
- então, então....
- ah... Essas férias?...
- Já faziam falta, né?/ 'Tava a ver que não chegavam...
- E a faculdade?...
- Ah, 'tá lá no sitío!/ 'Tá a correr tudo bem... (Enquanto se pensa: "qualquer dia ponho lá uma bomba") .
- O que é que estudas?/ o que é que 'tás a tirar? ( a segunda é mais apropriada - tirar a saca-rolhas!!).
- (...).
(reacção relacionada com o desemprego; só é positiva qdo se trata de medicina e afins)
- E, e,... "A Quinta das Celebridades"?
- xi, nem me digas nada! Não posso com aquele(a) ... . (Não se deve dizer que não se vê se não somos excluídos da sociedade).
- E o tempo?
- Nunca vi nada assim! Por esta altura já devia 'tar a chover./ Isto já não é nada do que era!
- Seca por esta altura...
- Dê cumprimentos à família. / prazer em vê-lo(a). /até um dia destes.


Se nunca se diz nada de novo para quê continuar a ter este tipo de conversas? PARA QUÊ?

O Milagre da Vida

Uma das patas lá do quintal da minha avó está a chocar VINTE E UM ovos.

NÃO HÁ CU QUE AGUENTE!!!

A.T.L.

Há, nos dias que correm, uma grande polémica nos EUA (onde mais) sobre alguns casos de professoras que tiveram relações sexuais com alunos.

As denúncias partiram, na maioria dos casos, dos próprios alunos. Não consigo perceber porquê! Não é uma fantasia recorrente de todos os adolescentes terem uma experiência sexual com aquela professora de ciências ou de matemática, boa como o milho!? E acreditem que as professoras americanas que foram acusadas do crime (crime, bah!) são bem jeitosas!

Definitivamente a juventude está perdida.

domingo, março 20, 2005

Saturday Night Fever

Arrependo-me, cada vez mais, de ficar em casa a ver televisão!

Ontem, por volta da meia-noite, deparei-me com programas que deveriam estar neste blog, pois não interessam nem ao Menino Jesus, em todos os três canais da televisão portuguesa; senão vejamos:
  • RTP 1: "1, 2, 3", apresentado pela horripilenta Teresa Guilherme, sem o encanto da Bota Botilde, com humor muito pouco humorístico, e, sobretudo, sem o Carlos Cruz, que, seja pedófilo ou não, foi um dos melhores apresentadores portugueses dos últimos anos;
  • SIC: "Boca a Boca", apresentado por um marmanjo que não conheço de lado nenhum; aliás, acho que nem mesmo quem o contratou o conhecia, senão não o tinha feito, pois para um programa que pretende ser engraçado, não passa de uma imitação barata de todos os 'talk-shows' americanos, com um cenário citadino e (aqui sim, a diferença do original para a cópia) com um apresentador cómico;
  • TVI: como não podia deixar de ser, o 'crème de la crème', o "Bon Chic", programa apresentado por José Castelo Branco; não há críticas que consigam fazer justiça a tal aberração, portanto só visto!

Três horas de puro conhecimento

Fui cortar o cabelo e como moro no 'cú de Judas', o único sítio é o cabeleireiro de uma vizinha minha. Como se o facto de ela não ser propriamente o Da Vinci dos cabeleireiros não fosse razão suficiente para não voltar a por lá os pés, na minha última visita ela e mais umas quantas senhoras que lá estavam deram-me mais umas quantas razões para não a visitar mais.

Fiquei três horas à espera de um corte de cabelo que dura 15 minutos porque as senhoras decidiram discutir todos os temas que andam na berra no nosso cantinho à beira mar plantado.

Desde o campeonato de futebol, até ao caso da Joana (a que desapareceu, depois afinal não desapareceu, foi vendida, depois afinal não foi vendida, foi cortada às postas e dada aos porcos, depois não foi dada aos porcos, foi posta num carro que ia ser prensado, enfim...), passando, inevitavelmente, pelo caso...Casa Pia( onde todos foram julgados, condenados e executados logo ali), tudo aquelas alminhas discutiram, com uma sapiência fora do comum (agora sé a abaixo ou acima...).

Porém, o cúmulo estava guardado para um período curto, de um minuto, entre temas, quando todas concordaram que "A 'Manela' Moura Guedes é que é boa, diz tudo como é e sem papas na língua!"[sic]!Não sei se pela minha cara se percebeu que estava a pensar que se me apresentava o último nível de inteligência humana, mas nessa altura, e porque já tinham passado duas horas, o homicídio começou a surgir como uma boa alternativa para a resolução de alguns problemas do mundo.

Moral da história: Viva os barbeiros e as suas conversas sobre futebol e gajas!

sexta-feira, março 18, 2005

O problema da água II

Com tantas campanhas de sensibilização, com tantos apelos à poupança de água, será que as autarquias continuam de ouvidos moucos?

É que as rotundas, esses espaços florestais tão importantes no cenário português, continuam a ser regadas diariamente, e, pior que tudo, a água que as rega, molha mais a estrada do que as próprias rotundas. Como não falta, que eu saiba, alcatrão ou árvores do dito em Portugal, não vejo a utilidade destas regas.

O problema da água I

Ouvi ontem na rádio que o exemplo da poupança da água deveria partir do próprio governo.

Sócrates, na sua ânsia de agradar ao povo português, já avisou que os seus ministros só vão poder tomar banho uma vez por semana e que os autoclismos de S.Bento só vão ser descarregados ao fim do dia.

Com o calor a chegar adivinham-se dias 'cheirosos' para os lados do governo

quinta-feira, março 17, 2005

Esta maluca que vos fala!

Chegou-me hoje aos ouvidos que a senhora Alexandra Solnado (aquela que 'fala' com Jesus Cristo) afirmou que a ideia de dar cursos (não sei do quê) pagos partiu do próprio Jesus.

Segundo parece, J.C. delegou-lhe essa tarefa (ainda não descobri qual), a qual a Xanocas disse que só podia fazer em "part-time"[sic], pois precisava de trabalhar para ganhar dinheiro. Cristo disse-lhe para não se preocupar e fazê-lo em "full-time"[sic-possivelmente de J.C.], de forma a ganhar dinheiro para ela e, passado algum tempo, cumprir o Seu desejo e sonho: construir uma clínica para doenças não diagnosticáveis.

Levantam-se algumas questões pertinentes:
  • J.C. fala-lhe em que língua: hebraico?, aramaico?, ou na língua de Camões?
  • será que à 2005 anos atrás Ele já pensava em contactar a Alexandra para que esta cumprisse o seu sonho?
  • não é este sonho um tanto ou quanto redutor para aquele que é o filho de Deus?
  • será que a Clínica J.C. vai pagar impostos ou o Paizinho vai meter uma cunha?
  • porquê, com tanta gente no mundo com mais voz, Cristo falar com a Alexandra Solnado?
  • será que, se eu não tiver futuro no jornalismo, se começar a dizer que falo com Deus as pessoas vão acreditar em mim e vão enriquecer-me?
  • e, 'last, but not least', será que Alexandra Solnado ainda percebeu que as drogas provocam alucinações?

domingo, março 13, 2005

Operação de charme

Sócrates já começou a 'piscar o olho' à oposição, tentando seduzi-los sabe-se lá para quê, ao usar uma gravata...laranja na tomada de posse como primeiro-ministro.

sexta-feira, março 11, 2005

é curioso...

As pessoas quando falam para estrangeiros que percebem minimamente o que as primeiras estão a dizer têm tendência para falar mais alto. Porque será?

quinta-feira, março 10, 2005

equação engraçada...

Segundo o professor Manuel Rodrigues da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, a América(do Norte) está para a Europa assim como os romanos estavam para os gregos. Os romanos assim, como os americanos, teriam uma melhor organização politico-militar, seriam os melhores em termos tecnológicos, valorizavam a vertente pragmática enquanto que os gregos, à semelhança da Europa, valorizavam a vertente contemplativa da vida, eram os grandes amantes da História, da Arte e da Cultura em todo o seu esplendor. Filosofos por excelência os velhotes só conseguiram levantar um Império(a muito custo) de pouca duração. Os jovens romanos não os levavam a sério, claro. O mundo estava por conta deles. Agiam sem pensar muito. (Parece ter sido eficaz se pensarmos na expansão romana).

Aceitam-se sugestões!

Osama Bin Laden faz hoje 48 anos.
Eis uma lista de algumas prendas de aniversário que irá receber:

  • Uma tanga fio-dental com a cara de Bush Estampada, 100% seda;
  • Um perfume chamado American Obsession;
  • Uma máscara de «Bin Laden» para passar despercebido;
  • O Livro As Mil e Uma Torres;
  • Cheques-Camelo para escolher as suas mulheres;
  • Um magnânimo bolo em forma de duas torres;
  • Um par de aviões;
  • Uma ogiva nuclear com oferta promocional de 10 homens-bomba;
  • Alguns poços de petróleo (são sempre bem-vindos).

O que mais se pode oferecer a este sujeito?

Ah! A Sharon Stone também faz anos hoje. Talvez o Bin esteja interessado numa loira com instintos fatais.

AAAAAAAAAAIIIIIIIIIIIIIIIIII QUE BOM!

Haverá melhor sensação do que a de libertar a bexiga depois de estar seis horas, seis, a suster pinguinhas porque andamos dentro de prédios (e é má onda mijar onde os outros moram) e, quando na rua, não se avistam cafés ou uma simples árvore onde possamos satisfazer uma função primária?

Hoje descobri que não!

quarta-feira, março 02, 2005

Como é que é?

Se eu tivesse um nome muito estranho acredito que dificilmente estava a estudar jornalismo ou daria o meu nome de modo a que este aparecesse na televisão, à vista de milhões de pessoas. A não ser que trabalhasse com pseudónimos.

Parece que este problema não assola muita gente e a prova tive-a no programa da RTP 'Bom Dia Portugal' (acho que é este) de há dois dias atrás, quando surgiu um meteorologista a falar da vaga de frio (agora sim chegou!), e que tinha por graça Costa Tusa!

Repito: COSTA TUSA!!!

Nada mais a dizer.

Carlos Barrocas

terça-feira, março 01, 2005

Ele há pessoas estranhas!

Tenho um vizinho, entre outros, que é, no mínimo, caricato. O senhor deve estar reformado, com certeza, pois nunca tem nada que fazer. Eu diria que é o maior cusco de Portugal, não passasse ele todo o santo dia à janela a contemplar a morte da bezerra (é que a Cova da Piedade não tem grande Acção, Drama ou Romance! - Terror é discutível...).
Podemos contar sempre com ele, faça chuva, ou faça sol, acrescento mais, se a piedade tivesse um emblema, uma estátua ou uma moeda própria teriam a sua cara!
Excusado será de dizer que ele mete conversa com toda a gente (gosta de se manter informado sobre a sua gente! Conhecer as massas).
Além de tudo é um mãos largas: ofereceu uma bola ao meu sobrinho pelo natal, e um peluche para eu pôr no carro quando tirei a carta(bonito como a put*?%$*).
Não sei se me estou a explicar bem é que o dito além de ter cara de besta, de se lhe desconhecerem os membros pelos quais se desloca (se é que se desloca), de não deixar a mulher vir à janela e de não deixar o filho sair à rua senão para ir ao clube de vídeo é constantemente constrangedor com este tipo de oferendas e com diálogos que não passam do estado do tempo ou "da desgraça que por aí anda"!Já para não falar da bela tatuagem do amor de sua mãezinha.
Houve uns dias que andou desaparecido; Instalou-se o pânico na Piedade. Nos cafés os murmúrios não se podiam calar e a saudade apertava. Era comentado que estaria doente. Passada uma semana neste sofrimento, voltou à janela e com um novo look! Deixou crescer o bigode (também era só o que lhe faltava para a imagem de um típico português).
Qual doente, qual quê! Ele quis nos surpreender. Rimo-nos todos e fomos felizes para sempre!!!

É difícil...

...ser-se simpatizante da CDU e conhecer pessoas novas.


Estava eu a queimar tempo na faculdade (porque mais um professor resolveu prolongar as férias) numa conversa interessante entre universitários que pouco sabem sobre a pessoa a que se dirigem quando, out of the blue, apareceu a piadinha comum anti-comunista. Creio que foi uma analogia do género: a religião católica não mudou nada assim como a CDU...
Enfim, engoli em seco e fingi não ouvir. Achei que não devia competir com ideias tão formadas numa conversa de uma hora com sujeitos que mal conheço;
Resolvi não estragar um convívio futuro. Para a próxima chego-lhes das boas!!!

Surpreendido!

E pela positiva, com a Loja do Cidadão das Laranjeiras.

Não é que hoje fui tratar do B.I. e, indo preparado, pelo menos psicologicamente, para lá passar, no mínimo, meio-dia, fiquei atónito quando, passado meia-hora, já estava despachado! Será que a burocracia portuguesa está a perder a sua pujança?

Só foi pena os 7,05€ que paguei pelos impressos, os 4€ das fotografias e os 2,30€ por dois salgadinhos num café das redondezas. Foi a única vez que senti receio que o dia me corresse mal, pois podia lascar algum dente numa das pepitas de ouro que os salgadinhos deveriam ter trazido.

De qualquer das maneiras, fiquei muito surpreendido; até o preenchimento dos impressos era fácil, não nos pedindo o nome do avô do pai do nosso pai, ou a última morada da nossa mãe antes de se juntar com o nosso pai, ou qualquer essas outras coisas que nos pedem nesses impressos para pedir um simples documento. Nome, morada, nº do B.I., nome do pai e da mãe, estado civil, altura e acabou-se.

Porque é que tudo não é assim tão simples em Portugal?